2.7.10

Palmeira imperial
- muitas franjas e alguns troncos
na minha janela

30.6.10

Dezenas de ipês
pelas ruas de Brasília
- a seca continua

24.6.10

Debaixo do ipê
camisas verde-amarelo
- comércio da copa

21.6.10

Seca no cerrado
- folhas da sibipiruna
no vidro do carro


Seca no cerrado
- roupa branca no varal
suja de fuligem

6.6.10

Bem-te-vi com fome
- no jardim, balança a teia
com alguns insetos

4.6.10

Flores pelo chão
- uma senhora ainda reza
corpus Christi de ontem

12.5.10

Pôr-do-sol nos pampas
- o ônibus pela estrada
acende os faróis

30.4.10

Do ovo de Páscoa
o menino quer o brinde
surpresa sem gosto


* Publicado em abril/2010 na coluna "Haicai dos Leitores" no Jornal Nippo-Brasil


Libélula ao sol
no para-brisas do carro
a única água a vista



* Publicado em abril/2010 na coluna "Haicai dos Leitores" no Jornal Nippo-Brasil


20.2.10

mimetismo no ar
- maritacas na palmeira
descansam do voo

29.1.10

Mais um dia finda
- o bando de maritacas
no alto da palmeira

28.1.10

Libélula ao sol
- no para-brisa do carro
a única água à vista
Incessante grilo
do começo ao fim da noite
- mais um com insônia
Pescoço empinado
sobe e desce pelo campo
- a corrida da ema

26.1.10

Chuvas de verão -
as flores do flamboyant
coladas no asfalto

23.1.10

Canta a sabiá
- dentro de casa, a família
toma seu café

22.1.10

Goiabas ao chão
- aparente desperdício
que aduba e alimenta

21.1.10

Sob uma mangueira
descansa o trabalhador
- sol do meio dia

20.1.10

Corre o camundongo
- à saída da garagem,
um carro veloz

19.1.10

Verão de Brasília:
a tempestade ao lado
de um céu estrelado

15.1.10

manhã de verão
- borboletas amarelas
sobre o asfalto quente
Grita o quero-quero
- o menino, sem querer,
assustou os filhotes

11.1.10

Bichos no zoológico
- a vida em comunidade
levada ao extremo


Fecha o zoológico
- os bichos amontoados
mantendo seus hábitos

7.1.10

Ao descer do barco
sem espaço para andar
- tempo de águas-vivas

2.1.10

Casca de romã
- comida de passarinho
vai virar um chá